CECON

4 razões para você fazer um curso técnico em segurança do trabalho

Publicado em: 17 de Junho de 2018. Atualizado em: 17 de Junho de 2018 - 10:37:00. Publicado por: Marcelo Nunes.

Podemos iniciar esse artigo te deixando empolgado com as várias possibilidades de atuação de um técnico em segurança do trabalho. Mas, optamos por fazer um passo a passo bem detalhado sobre como se tornar um profissional dessa área e o porquê você deve fa

Podemos iniciar esse artigo te deixando empolgado com as várias possibilidades de atuação de um técnico em segurança do trabalho. Mas, optamos por fazer um passo a passo bem detalhado sobre como se tornar um profissional dessa área e o porquê você deve fazer isso.

Aqui, vamos citar as principais razões para investir na formação técnica em segurança do trabalho, o que você aprende no curso e, claro, as médias salariais de cada região.

Já adianto que, em uma pesquisa divulgada pela globo.com afirma que a segurança do trabalho desponta como mercado em expansão e praticamente imune à crise. Ainda, completa que o setor tem boas oportunidades e salários atraentes, segundo os especialistas.

Para saber mais basta ler o texto completo. Acompanhe:

1 . Variedade na possibilidade de atuação

Um das principais atribuições de um técnico em segurança do trabalho - TST é garantir que a preservação física dos colaboradores de uma empresa, construção ou instalação se mantenha sempre em dia.

É papel desse profissional utilizar-se métodos e técnicas de identificação, avaliação e medidas de controle de riscos ambientais de acordo com normas regulamentadoras e princípios de higiene e saúde do trabalho.

A orientação do uso do EPI (Equipamento de Proteção Individual) e EPC (Equipamento de Proteção Coletiva) também é feita pelo técnico em segurança do trabalho.

As ações educativas que acontecem nas empresas, palestras e demais reuniões de conscientização sobre os cuidados com a segurança no ambiente de trabalho são outras funções que também podem ser executadas pelo TST.

Muitos profissionais dessa área, justamente por possuírem total capacidade de conscientização do outro sobre a importância da segurança em primeiro lugar  durante as atividades trabalhistas, enveredam pelo caminho da consultoria.

Dessa forma, o técnico de segurança pode ser o responsável por implantar o PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional) e o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais) nas companhias.

Uma vez que, cada um desses programas são de cumprimento obrigatório nas empresas, a necessidade do auxílio direto de um técnico em segurança do trabalho dentro das organizações se torna ainda maior.

Notou como a variedade de possibilidades de atuação na área é grande? Ela parece ainda maior quando vemos a grade tradicional deste curso técnico em específico. Veja:

2 . Diversidade de contéudo a ser apreendido

Podendo ser dividido em 3 módulos, a maioria dos cursos tem duração de 18 meses com as respectivas temáticas: proteção e prevenção, educação para a segurança e gestão para segurança.

Entre as disciplinas de maior destaque nesses módulos podemos encontrar as seguintes:

  • Legislação e Normas Técnicas

  • Medicina do Trabalho

  • Higiene do Trabalho

  • Sistema de Gestão Ambiental

  • Direito Previdenciário e Acidentes

  • Atendimento a Emergência em Sistema de Risco

  • Segurança na Construção Civil

Percebeu como o curso técnico em segurança no trabalho tem as mais diferentes vertentes, mas todas com a finalidade trabalhista? Da Medicina ao Direito, de fato, um dos cursos mais completos disponíveis no mercado.

3 . Mercado de trabalho em alta, independente da crise

Segundo um dos maiores sites de anúncio de vagas de emprego, a Catho, a média salarial de um técnico em segurança do trabalho no Brasil é de R$2.645,47.

Contudo, realizamos uma rápida pesquisa sobre as vagas mais recentes anunciadas e, algumas ofertas alcançam a casa dos R$5 mil.

Segundo o mesmo site, para surpresa da maioria, o setor que mais contrata esse tipo de profissional é o de concessionárias/auto peças. O que, mais uma vez, comprova o quão grande e diversificada é a demanda por TST no país.

As gráficas e editoras, empresas de materiais de construção e petroquímicas são, seguidamente, as organizações que mais anunciam vagas à procura de técnicos em segurança do trabalho.

O primeiro emprego depois de formado pode ser o de auxiliar técnico em segurança do trabalho, seguido do técnico dessa mesma área e, após certo tempo de experiência, supervisor de segurança do trabalho.

4 . Média salarial em constante crescimento

De acordo com o site Guia da Carreira, que orienta jovens e adultos que estão à procura de recolocação profissional ou de se inserirem pela primeira vez no  mercado de trabalho, a média salarial de Segurança do Trabalho nos quatro principais setores econômicos do Brasil é:

Indústria

  • Mínimo: R$ 2.772
  • Média salarial: R$ 4.224
  • Máximo: R$ 7.973

Construção Civil

  • Mínimo: R$ 2.808
  • Média salarial: R$ 4.106
  • Máximo: R$ 6.759

Comércio

  • Mínimo: R$ 2.908
  • Média salarial: R$ 3.580
  • Máximo: R$ 5.466

Serviços

  • Mínimo: R$ 2.794
  • Média salarial: R$ 3.225
  • Máximo: R$ 6.470

Para que não restem dúvidas sobre a profissão de um TST e sua carreira, disponibilizamos o "Guia do curso Técnico em Segurança do Trabalho”, para download. Você pode baixá-lo gratuitamente clicando aqui e conhecer outros motivos para se tornar logo um profissional da área.